domingo, dezembro 25, 2011

Acho que por hoje é tudo


Regressão

Parece que a espanha (franco pá, conseguiste, enganaste-os a todos... já o outro dizia, quem controla o presente...) está no caminho da grande recuperação económica, sob a batuta do grande timoneiro rajoy. Agora com o governo formado, começam a chegar as notícias que apontam para uma política liberal que visa consertar as finanças públicas:
Governo espanhol confirma mudanças na lei do aborto “para preservar a vida”

Desculpem-me o sarcasmo mas não consigo que seja de outra forma. Ao nível de políticas sociais o PSOE fez muita merda. Haviam emendas a serem feitas em leis que são autênticos depósitos de rancor - a nossa ASAE são um bando de amadores em comparação. Mas o PP já demonstrou o que quer e ao que vem. A hipocrisia já os acompanha desde a morte de franco e parece que irá prosseguir.

Os amarelos vêm aí

O estado português privatizou o restante da EDP vendendo... ao estado chinês.

A direita portuguesa deu vivas ao negócio elogiando a escolha que foi feita segundo rigorosos critérios económicos. A direita portuguesa ainda tentou justificar pateticamente a venda de património público ao estado de um outro país que, ainda por cima, é uma ditadura (é mais fácil bater na coreia do norte, compreendo; não requer tanta imaginação). Dos liberais nem um comentário pequenino de assombro perante o avanço das forças vermelhas para o domínio sobre o tão querido mercado livre. Dos liberais nem um aqui-del-smith pelo avanço do tão temido estado autoritário sobre transacções financeiras. Nem um 'bolas' pelo aparente domínio de um estado comunista sobre a economia mundial, à frente de paraísos como singapura (by the way, que tal seguirem o conselho do passos e mudarem-se para lá?).

Por outro lado, o PCP condenou a venda. O PCP condenou a venda de património aos camaradas chineses que, segundo o PCP, são um garante do comunismo internacional. O PCP manifestou-se contra esta manobra de nacionalização verdadeiramente internacionalista. O PCP, que enviou condolências para a monarquia comunista da coreia do norte, está nervoso porque o PC chinês, que é o único regime do mundo a apoiar a coreia do norte, entrou no capital de uma empresa evitando assim a sua entrega aos capitalistas ocidentais.

Foda-se pá! Entendam-se.

Adenda: Este post pode e deve ser complementado por outra dose de ironia do Sérgio Lavos.

Parvoíce legislativa

Sobreiro já é a Árvore Nacional
A partir desta quinta-feira, o sobreiro é a Árvore Nacional de Portugal, depois de um projecto de resolução aprovado, por unanimidade, na Assembleia da República e de uma petição pública com 2291 assinaturas.


Símbolos por decreto é um paradoxo.

Da falácia do estado

Depois de Mario Draghi, Mario Monti e Lucas Papadémos (ex-Goldman Sachs), mais um cargo político europeu importantíssimo atribuído a um quadro oriundo de uma das empresas financeiras responsáveis pela crise mundial: Luís de Guindos (ex-Lehman Brothers) é Ministro da Economia do governo Rajoy. 

Para quem ainda tem dúvidas que o poder político se encontra refém do poder económico (com tudo o que isso implica). Mas não é necessário haver estado para que se note a predominância do económico. Os vazios são ocupados por cartelizações mais ou menos formais que substituem (e muitas vezes se impõem) aos agentes políticos. O problema não está na existência de estado per si, mas antes na concentração de poder como resposta à manutenção de status quo. A criação de um estado pode até ser um dos desfechos possíveis para um capitalismo selvagem... radical (parece que assim não se ferem susceptibilidades).

Da ironia

Um liberal escreveu o seguinte parágrafo (meus sublinhados):
" É injusto pedir aos contribuintes, que na sua maioria não têm as suas profissões de sonho, que continuem a abdicar dos seus subsídios de Natal para que vocês possam ter uma profissão que não satisfaz nenhuma outra necessidade para além da vossa própria realização pessoal. "

Tenho de revisitar o conceito de egoísmo ético. Despistaram-me novamente.

Da assimetria

Despedimento só dará 8 a 12 dias de indemnização

Governo PPD-PP: Tornando mais assimétricas, as assimétricas relações da tua vida.

Da fé

Parece que um insurgente nacional assinou uma carta aberta à EU, juntamente com insurgentes além-fronteiras (parece que 16! soma extraordinária tendo em conta). A carta é um pedido de "desregulamentação  radical". Ponto. Não tem mais nada. Mas parece que foi assinada por senhores doutores. Façamos a vénia.

Da filha-da-putice

Ouvi ontem um director clínico a assumir na televisão que manteve tratamento privilegiado para uma figura pública. Falo de roquete, director clínico do hospital da luz, que manteve eusébio nos cuidados intensivos mais tempo porque... era o eusébio. Merry xmas.

segunda-feira, dezembro 12, 2011

Do ocaso ou oportunidade

Não tenho qualquer simpatia pelo Ruptura/FER. Contudo, o documento emitido pelo 'secretariado' do BE é reles. Uma renovação é precisa (incluindo substituirem o keynesianismo por uma alternativa mais libertária).