sexta-feira, julho 08, 2011

Dos calimeros

A direita portuguesa consegue sempre surpreender no pior sentido possível. Vejamos alguns exemplos:


Cavaco diz que “agências norte-americanas são ameaça à estabilidade europeia”


Cavaco Silva diz "não haver mínima justificação" para corte de rating feito a Portugal


Corte de ‘rating’ é “escandaloso” e não tem “nenhum fundamento” (Cavaco)


Corte de ‘rating' é "extremamente injusto" (Catroga)


Câmara do Porto não renovou contrato com agência de "rating"


Nuno Amado: "Foi uma decisão muito inapropriada que vem impor mais dificuldades" (Presidente do Santander Totta)


Santos Ferreira: "Começo a acreditar que não é só incompetência" (Presidente do BCP descobrindo que afinal estas agências têm uma agenda escondida)


Moody's deu "mais um tiro certeiro no navio Portugal" (Ricardo Salgado, presidente do BES)


Corte de 'rating' é "inesperado" e “inconveniente” (Vitor Bento, economista)


"Esta é uma nota da Moody's ao anterior Executivo" (Estela Barbot num exercício de intelectualismo rasca para logo depois sair isto:)


Corte da Moody's já teve em conta medidas anunciadas por Passos Coelho


Ulrich contra Europa “escravizada” por “agências americanas” (Presidente do BPI)


Presidente da APS considera corte de "rating" desajustado


Decisão de descer 'rating' de Portugal para 'lixo' é “terrorista” (Mira Amaral)


Descida do ‘rating’ é "imoral e insultuosa" (Presidente da CGD)



Esta inflexão do discurso (nota especial para Cavaco, o presidente que se manteve calado até agora) é sintomático. Há uns meses enchiam-se de liberalismo e faziam o elogio dos instrumentos de mercado, mesmo que, pouco certeiros (ou com agendas paralelas). Agora são umas crianças amuadas gritando contra as injustiças do mundo. Mas entendo. De repente a renegociação da dívida sugerida pelos 'radicais' e 'irresponsáveis' partidos de esquerda torna-se uma inevitabilidade (claro que o racional de uns e outros é diferente, i.e., as preocupações são outras).


Entretanto, aguardo a todo o momento que os liberais do governo vindos da blogosfera apresentarem a demissão ou, pelo menos, fazerem um comunicado.


Sem comentários: