segunda-feira, fevereiro 14, 2011

Da moção de censura

Primeiro ponto. Dado o clima político em Portugal nos últimos meses, dada a tortuosidade de um governo incompetente resta-me apoiar uma moção de censura que devolva a palavra ao povo independentemente do que for o resultado expectável.

Segundo ponto. O BE faria um favor ao país em propôr uma moção de censura contra este governo e levando ao povo o seu instrumento básico de intervenção.

Terceiro ponto. Ainda não consigo perceber a trapalhada da moção de censura do BE. Não se fazem moções de censura para marcar uma posição; para tal existem outras formas de luta política (quer sistémicas ou não). Nem o argumento de trazer o governo para a discussão pública é efectivo. A única discussão pública que este acontecimento gerou é se o BE ajudou ou não o sôr Sócrates.

Depois do apoio à candidatura do Manuel Alegre começa-me a restar pouca paciência para politiquices que sempre me habituei a ver nos restantes partidos com assento parlamentar. Faz muita falta uma esquerda libertária.

Sem comentários: