terça-feira, março 23, 2010

Regulada ou proibida?

“A tauromaquia existe e tem que ser regulada”, diz a ministra da Cultura

6 comentários:

Daniela Pamplona disse...

Que raio tem ele nas mãos?

1 Espectador SC disse...

Muito Boa Tarde,

Aproveito a minha regular visita ao seu espaço para informar a abertura de um novo blog dedicado exclusivamente ao debate de temas falados no programa de televisão Sociedade Civil. Como espectador, este meu novo espaço visa expressar as minhas opiniões sobre o assunto falado no dia. Aproveito a minha passagem pelo seu blog para divulgar, para que todos visitem e que sigam este blog. Serão todos bem vindos, bem como a colocação de links está em aberto. Se a colocação for feita neste seu espaço, colocarei também no meu, basta informar.

http://umespectador.blogspot.com/

Boa continuação e espero que apareçam.

nuno vieira matos disse...

Daniela,

Na tradição dos touros de morte, após a lide, ao touro são-lhe cortados rabo e orelhas como troféus.

Daniela Pamplona disse...

Pois... temia que a resposta fosse qualquer coisa desse género... tive uma pequena esperança que tivesse errada...

Francisco Ferreira disse...

Boa noite.

Vocês andam mesmo mariquinhas...

Sim aquilo são orelhas, mas é uma tradição espanhola e não portuguesa. Em Portugal não se costuma cortar orelhas.

1. Os touros têm uma vida digna, ao contrário de os animais que comemos todos os dias.

2. Se não houvesse touradas não existiam touros bravos. Acho que nenhum dos meninos que é contra as touradas iria criar touros.

3. A industria ligada à tourada dá de comer a muitas familias, gera empregos e riqueza. A carne de touro acaba por ser comida, e é muito bom!

4. A tourada é uma tradição portuguesa e é uma maneira de passar certas tradições e valores aos jovens como coragem, honra e nobreza.

5. Aceitem quem gosta sff. Se são tão rápidos a defender porcarias como casamento gay, aprendam a aceitar outras culturas.

Ficam desde já convidados a virem à minha terra Azambuja no fim de Maio, à centenária feira de Maio. para assistirem a largadas de touros e outras actividades. Vão ver que vão gostar.

Cumprimentos.

Francisco Ferreira

nuno vieira matos disse...

Olá Francisco,

1. A vida pode ser digna mas a morte é carnificina.

2. Quero ver esse empenho nas restantes espécies já ameaçadas por esse mundo fora. De qualquer forma esse não pode ser o argumento. Portugal tem a capacidade de criar reservas naturais. Um caso que espero se tornar um sucesso é o do lince ibérico.

3. Uma costela sindicalista! Pareces os autarcas do PC em terras alentejanas. De novo, não pode ser argumento. Quantos criadores existem em que a única actividade profissional é a criação de touros bravos? Quantas pessoas estão empregadas para se dedicarem a 100% à criação do touro bravo? Se ocorrese alteração de actividade económica (outro ramo de peucária, por exemplo) iriam-se perder ou ganmhar empregos? Qual o que apresenta maior potencial de geração de riqueza?

4. Recuso "tradição" como argumento. Sabes perfeitamente que as tradições são alteradas ou abandonadas consoate o contexto sócio-cultural. Em relação aos valores como coragem, honra e nobreza considero paleio patriacal sem outra função que o aquartelamento social. Prezo mais a ética e a responsabilidade social e para isso não é preciso matar touros enfraquecidos.

5. Defendo outras culturas mas com sentido crítico. Poderia listar as atrocidades cometidas por esse mundo fora em nome de 'cultura' e 'tradição' mas não te ia trazer nenhuma novidade.

Francisco, não se trata de uma luta contra o povo ou contra ti em particular. Já tive o prazer de estar na Azambuja e testemunhar a genuidade e generosidade popular. Mas estas características vão perdurar sem touradas, sem a necessidade de uma afirmação artifical do homem em relação ao animal.