domingo, dezembro 27, 2009

Do terrorismo de estado

Para todos aqueles que paternalizam Israel numa espécie direito a retaliação colocando a Palestina numa posição exclusivamente ofensiva (ver aqui):

“Ela tem o braço direito enfaixado até à mão e queimaduras no pescoço. Mal consegue mexer a cabeça.”

“"Lá, tinham-lhe limpado a pele e posto ligaduras. Ao fim de três horas aqui, quando tirámos as ligaduras para limpar, saía fumo das feridas e cheirava muito mal, a fósforo.”

“O braço queimado é o direito, e a mão tem crostas negras.”

“As bombas de fósforo branco são incendiárias. Podem ser lançadas pelos militares no terreno para iluminar ou criar um ecrã de fumo. Mas estão proibidas pela Quarta Convenção de Genebra quando lançadas em zonas com "concentrações de civis" onde os alvos militares não estão claramente separados. E são sempre proibidas se forem lançadas do ar.”

“Quando o corpo humano é atingido por uma bomba de fósforo, a queimadura continua até ter oxigénio, por vezes até ao osso.”

“’Então começámos a levá-los para a sala de operações, para limpar as queimaduras, e encontrámos material estranho.’ Shaban abre um saco de plástico e mostra uma matéria que parece areia com sangue.”

“E há o cheio do fósforo a queimar, podíamos senti-lo."

“Mas além do fósforo, fala no uso de DIME (Dense Inert Metal Explosive), um explosivo novo. O ferido chega com vários buraquinhos no tronco, que parecem ferimentos superficiais, mas em estado crítico. ‘Abrimos o abdómen e descobrimos muitos danos nos órgãos, perfurações nos intestinos, danos no fígado, sangramentos, e não conseguimos perceber o que está a causar aquilo. Depois de tentarmos reparar tudo, duas horas depois da operação, começa a sangrar e a sangrar, a ponto de não o conseguirmos ressuscitar.’”

“Mas ‘as mais importantes armas ilegais que Israel tem usado’, remata Gilbert, ‘são o cerco, o bloqueio, e o bombardeamento indiscriminado de civis’.”

Sem comentários: