sábado, maio 30, 2009

Puros momentos de relax

Contemporâneos

Uma das razões porque os considero os melhores comediantes do momento. Por vezes fazer comédia é também ter coragem.

Da série "Estes gajos drogam-se"

SLN acredita que tem direito a indemnização pela nacionalização do BPN

Hiperligações escaldantes

O grande livro das pernas.

"Tudo ganha seu lugar no livro derramando bálsamo sobre os fetichistas e adoradores da beleza feminina."

Da série "Estes gajos drogam-se"

"Una revista del Arzobispado de Madrid, presidido por el cardenal Antonio María Rouco Varela, sugiere que la violación podría no ser un delito (...)"

Empregos à custa de quê?

Não é a primeira vez que vejo uma certa forma de fazer política usar o tema do emprego como forma de atacar o "fundamentalismo verde". Os mesmos que vêm defender "a vida" de forma acérrima, que ligam a IVG ao mais grave dos crimes (até mais grave que os abusos sexuais segundo os guias espirituais destes mesmos políticos), vêm atacar o "terrorismo ecológico" por pretender garantir um planeta para as gerações vindouras. Aliás, este "eco-alarmismo" é só mais uma forma dos estados explorarem os cidad... os indivíduos e, pasme-se, o return on investment nem vale a pena. Deve ser o meu mau feitio com esta mania de achar que temos de ter um planeta como legado.

terça-feira, maio 26, 2009

Não percebo!

Hoje no Público:

"O cirurgião Manuel Antunes advertiu hoje que “não cede” na decisão de se demitir de director da Cirurgia Cardiotorácica dos Hospitais da Universidade de Coimbra (HUC) caso a administração persista em mexer na sua equipa.

“Espero que o conselho de administração reveja a sua posição, senão vamos ter uma situação difícil para os dois lados. Não vou ceder nesta minha posição. Na equipa que ganha não se mexe”, frisou, em declarações à agência Lusa, embora ressalvando que continuará “a tratar dos doentes”. 

Em causa está uma proposta da administração, decorrente da empresarialização do hospital, para que alguns dos enfermeiros e profissionais da equipa de Manuel Antunes reduzam de 42 para 35 as horas de trabalho semanal, contratando outros para compensar as restantes horas. "

Será que este senhor, apresentado como cirurgião de alto gabarito e peça-chave dos HUC, não entende a palavra renovação? Com o mote de "em equipa que ganha não se mexe", evita-se que novos profissionais da saúde tenham acesso às valências oferecidas por este departamento clínico. E que tal, em vez de segregar os novos elementos no mesmo turno (ou equipa), desenvolver um plano de formação onde novos elementos se distribuam pelas equipas já existentes? Ou estou a ser demasiado simplista e está a faltar informação?

Entretanto:

"Entretanto, também em declarações à Lusa, António Arnaut, o “pai” do Serviço Nacional de Saúde, sai em defesa de Manuel Antunes. “As razões da administração não podem prevalecer sobre critérios técnicos”, afirmou, referindo que espera “bom senso das duas partes” para se evitar a ruptura. "

Assumo que sempre que leio "pai" do SNS fico com comichão. Mas de qualquer maneira, não vejo critérios técnicos a serem usados para argumentar a posição mas sim uma certa relutância à mudança. Fico à espera de novos desenvolvimentos que me tragam uma nova luz sobre os acontecimentos porque senão fico sem perceber as razões do cirurgião Manuel Antunes.

Nota: sou contra a "empresarialização" dos hospitais; isto do lucro na saúde é como o "pai", dá-me comichões.

sexta-feira, maio 22, 2009

Cherne Barroso, uma vergonha Europeia



Todos os sujeitos presentes nesta foto pagaram caro nas suas carreiras políticas pela decisão de se invadir o Iraque. Todos, menos um, Barroso voz Lusa na Europa continua a emergir de vento em poupa no firmamento político mundial, feito um verdadeiro Salazar ou Franco, que souberam apagar os seus passados e alinhar com as forças da liberdade como se um passado do horror e crime não lhes manchasse o currículo a olhos vivos. Então em Portugal nem se fala, somente uma minoria parece reconhecer em Barroso a sua imbecilidade, as suas motivações meramente carreiristas, a sua falta de dedicação a qualquer causa Nacional ou mesmo Europeia sem a validação prévia do cerne da Direita Europeia, com objectivos bem distantes de Portugal e das suas necessidades. Hoje em dia, parece ser voz popular e verdade consensual o facto de a Guerra no Iraque ter sido apoiada por um punhado de loucos que representava indiscutivelmente uma minoria, onde Barroso participou como um espertalhão e um abilidoso na esfera da geopolítica no seu apoio. Alguma contradição nesta frase relativamente ao valor político de Barroso? Claro que sim, em toda a parte do mundo, menos em Portugal.

Também relativamente ao Nazismo, muito usualmente me parece retirar da opinião geral e popular Portuguesa que aquilo do Nacional Socialismo nos anos 30-40 na Alemanha foi o resultado de um punhado minoritário de loucos como os do PNR, principalmente o Nacional Socialismo que motivou o extermínio de minorias e grupos étnicos. Esquecem-se ou ignoram a fama e a forte aceitação, por parte das Elites Científicas da altura, das ideias e estudos da Eugénica, onde se separavam os homens em raças superiores e raças inferiores, motivando actos desumanos. Esquecem-se do largo apoio popular que o Nacional Socialismo teve no mundo, incluindo Portugal. Em poucas palavras, esquecem-se que choveu negro e torrencialmente na Europa durante décadas no século passado.

Nos tempos de Primeiro Ministro de Portugal, mister Barroso, o Cherne, foi um propagandista fiel da parte mais desumana da Direita Europeia e Mundial. Deu prioridade a essa função e depois à governação nacional. Lembro-me por exemplo da sua campanha pelo PP Espanhol enquanto Primeiro Ministro de Portugal a dizer nos comícios que Portugal apoiava o PP. Como na Cimeira das Lajes, Barroso sempre esteve ao lado de quem era preciso para subir na sua carreira. Esteve ao lado de Bush, em relação ao qual se espera hoje em dia ser julgado pelo Tribunal Penal Internacional por Crimes de Guerra. Esteve sempre ao lado de Aznar, que esteve envolvido numa tentativa de golpe contra Chavez, semelhante ao negro episódio que se passou com Allende no Chile. Esteve ao lado de Berlusconi, que dispensa apresentações e motivos para reprovação em termos de práticas democráticas.

Em todo o mundo ocidental, os sujeitos políticos responsáveis pela violação de direitos humanos são punidos nas urnas e na opinião pública. Mas como não há regra sem excepção, infelizmente para mim, neste caso Portugal parece ser a excepção. Hoje o PSD desenvolve a sua candidatura em torno do suposto magnanime legado de Barroso na Europa com o transfigurado candidato de "pacotilha e algibeira" com o nome de Paulo Rangel. Mau para Paulo Rangel, espectável no partido de víboras que é o PSD, mas de algo agora estou certo, não são somente nódoas de ovo estrelado que mancham a camisa alva de Paulo Rangel, e ao contrário das nódoas de comida, nódoas na ética democrática são difíceis de sair.

quinta-feira, maio 21, 2009

Mais papistas que o papa


Para o liberal que há em ti: isto.

Espinhogate

Sumarizando uma história que vai longa, na localidade de Espinho, duas alunas gravaram parte da aula de uma professora enquanto esta dissertava sobre sexo em modos aparentemente pouco próprios. As alunos teriam feito queixa às respectivas mães que tiveram a ideia que levaria as filhas a gravarem a aula. Informações adicionais: O Público sumariza o teor da conversa colocando a professora num estado quase de senilidade. Noutro ponto (não me lembro qual) fala-se de que esta professora era muito querida pelos alunos havendo alguns que a viam como uma segunda mãe. Ainda noutro local a informação de que as alunas que gravaram a aula teriam provocado a professora para que o tema da conversa derivasse para o sexo. Entretanto, a blogosfera divide-se entre a interpretação a dar a esta história, havendo quem faça deste episódio uma bandeira contra a educação sexual nas escolas e à distribuição de preservativos pelos alunos.

Penso que as questões devem ser separadas. A acreditar no Público (e não tenho razões para não o fazer) a professora tem um comportamento de facto repreensível, não tanto pelo tema, mas pelo contexto em que faz as observações. Mas saliento que não tendo a noção do que foi realmente dito é difícil ir mais além neste exercício opinativo.

Em relação às alunas, pais, conselho directivo da escola, DREN, ministério, etc. não existe tanta névoa em relação ao modo como procederam. Para quem tenha dúvidas, a utilização de telemóvel numa sala de aula vai contra as normas de uma escola. Não chega?! A gravação não autorizada de uma conversa consitui crime, neste caso imputável aos pais das jovens por estas serem menores (e também porque foram os pais a promoverem este episódio). Em adição, esta gravação não poderia servir de prova em tribunal por ser... não autorizada, vulgo ilegal. Se os pais tinham queixas a apresentar deveriam er-se dirigido ao conselho directivo. Em democracia é assim que as coisas se fazem! Isto não é a guerra fria com direito a espionagem e delação.

E o conselho directivo e a DREN que suspendem a professora com base nesta gravação? Ainda por cima admitem que o comportamento estranho dura há 3 anos e até agora não fizeram nada! Are you out of your f*** mind? Need I go any further??

Por último, a utilização deste episódio para promover uma campanha contra a educação sexual nas escolas é no mínimo condenável do ponto de vista da honestidade intelectual. Por vezes penso que na cabeça de muitas pessoas uma aula de educação sexual usa como manual escolar o kama sutra e como material didáctico multimédia os vários "garganta funda". Se tal for verdade, penso que haverá muito mais sumo vindo ali dos lados da Irlanda! Fundia-se "educação" sexual com umas aulinhas de religião e  moral. ó valhamedeus

Lapsos

"O presidente do Banco de Portugal vai ver o seu salário crescer 5% este ano, por causa de uma "lapso" na actualização dos salários do conselho de administração da instituição." aqui

Parece-me que o lapso principal está na permanência de Constâncio à frente do BP.

quarta-feira, maio 20, 2009

25% dos gestores subornaria clientes para sobreviver à crise

Essencial que vejam esta notícia.

Até pensei que o número vinha do caso português. Já todos vimos que os nossos liberais da praça envergonham-se dos nossos gestores com dependência aguda de subsídios e compadrios com os partidos do poder (vulgo Bloco Central).

Começando a ler percebo que trata-se de uma sondagem feita a 2000 (!) gestores de 22 grandes empresas europeias. Com este número a sondagem é estatisticamente significativa. Algumas pérolas:
  • "(...) cerca de metade destes Executivos considera aceitável ter um ou mais comportamentos pouco éticos em tempos de crise.". Já percebemos isso. Percebemos, aliás, que não são precisos tempos de crise para alguns desvios "comportamentais".
  • "(...) Fazer pagamentos em dinheiro vivo para obter um negócio e até mentir sobre a gestão financeira para encobrir resultados decepcionantes são comportamentos que merecem o apoio de um número alarmante de inquiridos.". Quem diz? Não sou eu, mas sim um tal de David Stulb da Ernest & Young!
  • "(...) os gestores de topo têm mais propensão para perdoar um comportamento pouco ético do que os quadros médios das empresas.". The highest...
Mas eu percebo. São os Estados que levam a tais insanidades. São os impostos que obrigam a estas manobras criativas. Não se trata da ganância de alguns. Longe de mim pensar tais baboseiras!

segunda-feira, maio 18, 2009

Feira do Livro 2009

Sábado consegui tirar a tarde para rumar à Feira do Livro para logo a seguir ir enfiar-me na Fnac dos Armazéns do Chiado. Aquilo a que chamo shopping cultural embora sem o traje adequado que seria o fato de treino e umas sapatilhas de marc adequada brancas resplandecentes do uso comedido. Três observações sobre a oferta:
1) Imensos livros para crianças com bastantes barracas a serem dedicadas ao livro infantil. Parece-me bem.
2) Imensos livros de auto-ajuda naquilo que me parece ser psicologia de bolso com frases feitas e promessas de felicidade género fast-food (fast-happyness? uma nova forma de happy-meal?). Não me parece bem.
3) Imensos livros sobre temas religiosos, desde o mainstream católico e derivados, passando pelo exotismo-fashion das religiões orientais (não esquecendo as suas deambulações pela medicina). Para além de não me parecer bem, irrita-me.
Resultado: o meu primary-target, ensaios e livros de fotografia, esteve seriamente compremetido.

De qualquer modo, a minha lista de compras:
- "Cão Velho entre Flores", de Baptista-Bastos, editado pela Temas da Actualidade (1995): Desafiando hábitos que nem sempre percebo, comprei um romance de um escritor vivo. Este era um daqueles que estava na lista mental de wanna-have.
- "Pena Capital", de Mário Cesariny, editado pela Assírio & Alvim (2004): Porque o surrealismo escrito em português tem um sabor diferente.
- "O Remorso de Baltazar Serapião", de Valter Hugo Mãe, editado pela QuidNovi (2006): Romance que ganhou o Prémio José Saramago na edição de 2007 e o segundo romance de um escritor vivo comprado no mesmo dia! valhamedeus por este radicalismo! Depois das letras que Valter Hugo Mãe fez para os Mundo Cão (que me acompanha nas viagens de carro há 3 semanas consecutivas), a minha curiosidade comprou o seu segundo romance. Justo!
- "Fotografias de Lisboa à Noite", de Luís Pavão, editado pela Assírio e Alvim (1983): Conjunto de fotografias de Luís Pavão à noite de Lisboa no início da década de 80. Valem como documento social e como exemplo de boa fotografia. Um livro indispensável na minha estante!

Na Fnac apenas um albúm dos Pearl Jam que o cansaço não permitia mais andanças (e um jantar na casa do Joca também não!).

Dia Internacional dos Museus

O meu museu favorito é o museu Grão Vasco em Viseu. Chauvinismos à parte, acho que ter um museu favorito é impossível. Em Lisboa sinto-me bem nas janelas verdes, em Barcelona no Picasso, em Paris no Rodin, no Louvre, no Pompidou. Sinto-me tão bem no Pompidou! Estou a ser estúpido, vou parar com esta lista de amante de museus, não fazia outra coisa, seria como enumerar as mulheres mais bonitas do mundo, isso é um work in progress do "E Deus Criou a Mulher" por exemplo, nunca vai acabar.
Bem, vou ao museu mais perto de mim que até tem uma galeria de pintura bem catita com um exemplar da nossa grande Maria Helena Vieira da Silva.
Gostava de estar em todos os "meus" museus ao longo deste dia, feito Pai Natal de chaminé em chaminé na noite de 24 para 25 de Dezembro.
Fica aqui uma das obras mais ricas de Vasco Fernandes, que me acompanha sempre em forma de postal e sobre a qual me canso de falar a todos os Americanos que querem visitar Portugal, sejam Estados Unidenses ou não.

terça-feira, maio 12, 2009

Como?

Portugal é um dos países, entre os 30 que integram a OCDE onde o factor trabalho é menos tributado e menos pesa nos custos laborais.

Presumo que isto apoquenta a direita portuguesa - lá se vai um argumento.

A Távola Redonda dos 13 Candidatos (X)

Desisto e vou-me deitar. Infelizmente nada de concreto mas muito por culpa da moderadora. Vou ler a minha Mafaldinha para recuperar a acutilânica da meninice.

A Távola Redonda dos 13 Candidatos (IX)

O candidato do PPM fez-me um nó político na minha, já cansada, cabeça. Mas consegui distinguir "referendo", "monarquia", "ética republicana".

Vital, como resposta defende a não ida do Tratado de Lisboa a referendo por uma questão de pragmatismo. Raios, então vamos abolir todos os restantes actos eleitorais. Por uma questão de pragmatismo!

segunda-feira, maio 11, 2009

A Távola Redonda dos 13 Candidatos (VIII)

Esteve bem a Laurinda, lembrando que a política fiscal não é definido pelo Eurodeputado. Foi bom para recentrar o debate.

A Távola Redonda dos 13 Candidatos (VII)

PNR em acordo com PCTP/MRPP: já estou preparado para o juízo final.

A Távola Redonda dos 13 Candidatos (VI)

Quando houver o cargo de Grande Mãe da Europa o meu voto já tem destino: Laurinda Alves.

A Távola Redonda dos 13 Candidatos (V)

O debate já resvalou para a Elisagate e eis a metafísica da transparência com o Vital bronzeado a defender o indefensável!

A Távola Redonda dos 13 Candidatos (IV)

O que é que o Vital faz do lado esquerdo da barricada?

A Távola Redonda dos 13 Candidatos (III)

Coligação PPM-MEP: uma ideia para o futuro, uma coisa do interior de nós próprios, sei lá!

A Távola Redonda dos 13 Candidatos (II)

Eu nunca gostei da revista Xis. Lembrei porquê!

A Távola Redonda dos 13 Candidatos

Deve ser isto que um adepto de futebol sente antes do início dos jogos! Um debate a 13! E vai começar agora!