sábado, setembro 27, 2008

In the Heights



Este musical ganhou os Tony Awards e foi o Herman José na sua última participação dos Incorríveis que me convenceu a ir ver. Digamos que o facto de ter ganho os Tony Awards me ajudou a decidir ir ver. Em geral, eu tenho uma opinião muito linear sobre obras de arte ou de intertenimento com cariz artístico: quando são más toda a gente consegue ter opinião sobre o que funcionou mal ou como mudar para melhorar, mas quando são boas ninguém consegue explicar porquê, é muito difícil apontar o que foi essencial para o sucesso, parece sempre tudo se encontrar numa proporcionalidade perfeita no sentido em que transcende o público para além da sua entediante condição humana. Segundo este modo de olhar para a Arte, este musical foi mau.

O facto de se trazerem ritmos latinos e urbanos para a Broadway é por si bem arrojado e muito interessante porque hoje em dia os imigrantes latinos pertencem à classe socio-cultural mais desfavorecida nos EUA e consequentemente a mais vitimizada pelos movimentos conservadores xenófobos contra a imigração. Nesse sentido foi um grito de identidade cultural para uma nova America. A música é muito boa, os actores são cumpridores e profissionais e consegue-se motivar a parte mais tímida da assistência a mover o corpo como se motivada a passar a noite numa pista a dançar. Talvez por isto tudo este musical ganhou os Tony Awards.
No entanto, a dramaturgia foi muito fraquinha e desenvolvida à volta de Personagens Tipo com histórias de vida altamente estereotipadas e miserabilistas que se alimentam de um sonho americano que tudo cura e motiva. A moral global da história é demasiado óbvia e simples e o que eu considero pior é o "déjà vu" da construção cénica. Tudo se passa num bairro de NYC onde todos os personagens moram e em relação ao qual possuem fortes laços emocionais. Há muito do Avenue Q que aqui reconheci.

Muitas vezes ouço alguns amigos que mal conhecem o cinema Francês a dizer que o cinema Francês e Europeu em geral é de difícil compreensão porque não tem história.
Aqui se encontra uma obra de simples compreensão sem história, como um fogo de artifício por exemplo. Ouvi dizer que o Cats era assim também, mas nunca o vi.
Fica assim: In The Heights!!

Sem comentários: