quinta-feira, maio 03, 2007

A Escumalha de Sarkozy

Li recentemente um texto de opinião de Mia Couto intitulado "O Planeta das Peúgas Rotas", que pode ser encontrado aqui num dos macua blogs. Macua é um nome de um dialecto Moçambicano que a minha avó materna domina muito bem. Passada esta tangente, estava a referir-me ao texto de Mia Couto. O texto tem como base motivadora o debate do que é a pessoa humana. A meio do texto, Mia Couto refere-se ao massacre de 94 no Ruanda onde Hutus mataram Tutsis. Os Hutus e os Tutsis foram artificialmente separados anteriormente pelos colonizadores Belgas, segundo regras por eles estabelecidas. Tanto os Hutus e os Tutsis pertencem à espécie humana. O Ruanda é um país pobre, onde geralmente se vive mal. Se calhar por isso, a lavagem cerebral da propaganda de minorias assassinas levou Hutus a chacinar a golpes de catana 10 pessoas por minuto durante 100 dias. Comunidades que conviviam em harmonia foram manipuladas a se odiarem mutuamente. A propaganda convencia que os Tutsis eram baratas, não eram humanos, logo podiam-se matar com a mesma leveza com que se matam ratazanas, melgas e mosquitos. O mesmo tipo de propaganda desumanizadora de um grupo social para desulpar uma acção criminosa sobre esse grupo é bem conhecida de todos com consequências de pequena ou larga escala bem ou mal documentadas na História. O Holocausto por exemplo, os Judeus eram pulgas para os trabalhadores dos campos de morte.
O homem precisa de desumanizar o seu opositor para o matar e torturar sem ser para o comer em caso de fome extrema. Se calhar essa é mais uma das caracteristicas que nos diferencia dos outros animais. Um leão quando vê outro leão pode iniciar uma luta a dois por direito a liderar ou por território, mas sem nunca matar. No entanto não parece ter problemas em matar uma Gazela. Os homens conseguem desumanizar os seus semelhantes para os matar e fazem-no mais vezes do que o que pensam.
Sarkozy chamou de esumalha aos rapazes dos subúrbios das principais cidades francesas, assim facilmente consegue manipular os eleitores a desculparem medidas que prejudiquem ainda mais a vida a esses jovens. E parece ser assim que Sarkozy gosta de jogar, com a criação e manipulação de ódios na cabeça dos Franceses. Lembro-me da sua referência à vontade que manifesta em exterminar a herança do Maio de 68. Acima de tudo essa herança são pessoas, onde a maioria vive fora dos subúrbios. Quantas pessoas está o senhor Sarkozy disposto a desumanizar, a prejudicar para ascender como os míticos demonizados Hitler, Salazar e Estaline, mas também como os democratas Aznar e Berlusconi? Quem virá a seguir? Porquê? A crise, o mau desempenho sexual, a derrota do Lyon contra o Saint-Étienne, tudo passa a ser culpa de quem o senhor de voz timbrada e olhar comovente na tv disser. Enquanto se canalizam esforços a demonizar sectores da sociedade, pondo os pobres contra os pobres, tiram-se as atenções das políticas que verdadeiramente agem sobre a criminalidade, sobre a crise, sobre o desemprego, sobre a economia, sobre a melhoria das condições de vida das pessoas. Porque isso é o que interessa, as pessoas, não? Pelos menos era suposto.
Eu acredito num mundo plural, onde se aceita a diferença como uma mais valia para a sociedade e nunca como um tumor maligno. Já Darwin dizia que a variabilidade à partida dava a uma espécie mais poder de competitividade.
Porque eu acredito que todos os homens são iguais, porque acredito na liberdade e na fraternidade apelo ao voto de quem personifica o humanismo que saiu da Revolução Francesa, honrando a espécie humana. Apoio Ségolène Royal para ganhar no Domingo próximo.

Relativamente a Sarkozy, devo dizer que não o quero demonizar, não o odeio, na realidade não odeio qualquer pessoa. Quero que Sarkozy viva bem, respeito os seus pontos de vista, mas discordo deles fortemente. Um amigo um dia disse-me que a melhor maneira de seres amado por uns é seres odiado por outros. Não quero odiar, aprendi a não o fazer, acaba sempre por dar mais força aos nossos adversários. Conviver em paz é evoluir, pelo menos assim acredito e por isso me bato sempre que consigo.

2 comentários:

Francisco Ferreira disse...

Ok, isso é tudo muito bonito.
Mas se quando eu fosse trabalhar de manhã, visse o meu carro queimado por um bando de inúteis deliquentes, acho que lhes chamaria escumalha e não me chateava muito se eles fossem esmagados como baratas.
Se eles não respeitam o país onde nasceram, eles que vão para onde quiserem.
Os Europeus tem de deixar de ser os porreiros e integradores. Já não há recursos para isso.

alexandre disse...

Eu ja morei num desses bairros. Durante 6 meses de estagio.
A tua tese e' que e' muito bonita. Um mundo cheio de oportunidades e locais para as pessoas irem se nao estiverem contentes no local onde estao.

Agora, brincadeiras a parte:
como se identifica e onde e' que acaba a tua escumalha?

tu por seres jovem e morares la tambem e's escumalha, mereces morrer? ou porque so grafitaste mas nao incendiaste? ou porque jogaste a bola e partiste um vidro com ela? Pois e' Francisco, quando sao os outros a levar porrada e a morrerem vais buscar uma mini e uma sandes e ficas a rir-te a frente da tv a dizer que e' muito bem feito.
qual e' o limite do castigo? camara de gas?
a quem?
todos os imigrantes pobres? todos os filhos de imigrantes pobres? todos os filhos de imigrantes pobre que se vestem a rapper americano?
Poes uns rides aereos a bombardear os suburbeos para limpar aquilo?
Acho que ja e' tempo de ires buscar outra mini.

Agora a serio, eu quando la morei vi cenas do arco da velha. Nunca senti tanto o racismo e a xenofobia como la, nem nos tao miticamente racistas eua. Tu ribatejano de gema, para os trabalhadores de um super mercado e's lixo e vens para roubar o trabalho deles. Eu nao so ouvi isto de caixas do super mercado de zonas mas, como ouvi de gente com quem trabalhava.

Eh pah, e podia estar aqui o dia todo a contar historias, aquilo e' muito complexo, depois quando for a Portugal bebemos umas minis.

olha, algumas coisas estao aqui:

http://lutaslivres.blogspot.com/2005/12/distrbios-em-frana.html

portanto Francisco, fica no Ribatejo e tem la filhos porque se tu os vais ter para Franca tas tramado e se calhar podes mudar de opiniao. Estou certo que filho teu nao incendiava um carro ou pintava paredes, mas convencer um policia programado para matar putos do contrario, podia ser mais complicado.