sexta-feira, janeiro 27, 2006

Estacionamento e Igualdade

Excluindo a clara superioriedade de ensino e pesquisa, existe um pormenor na Carnegie Mellon University sobre igualdade e financiamento da Universidade que deita qualquer Universidade portuguesa abaixo, principalmente o meu velho IST. Aqui na CMU o parque para viaturas privadas existe para todos, mas quem quiser ter um lugar para estacionar o seu carro, paga bem por ele. Eu (simples estudante)e o Presidente do meu Departamento estamos em igualdade no que toca a trazermos o carro para a Universidade. Dado o elevado valor a pagar por tal luxo, ambos vamos de BUS para a Universidade, mas existem estudantes e professores de diversas categorias que pagam pelo estacionamento.
Uma medida desse tipo no IST era justa e acabava com essa ainda existente marca do Fascismo patente nas irracionais regalias dos Professores das Universidades de Portugal. Por acaso, uma medida desse tipo traria mais dinheiro para a Universidade, dinheiro recebido num processo socialmente mais justo do que o recebido pelas propinas.

segunda-feira, janeiro 23, 2006

As Bandeiras de Cavaco

Acompanhei esta contagem de votos para a eleição de um Presidente da República pela estação de rádio Antena 1. Enquanto Cavaco se dirigia para o CCB para fazer o seu discurso de triunfo, o locutor informava que já o recinto estava cheio de bandeiras do PSD e umas quantas de Portugal. Lembrei-me então das imagens da TV que observei enquanto estive recentemente em Portugal: nada de PSD, nem de PP, nem de PPM, nem de PND, nem de MPT (partido dos amantes das Lezírias e sobreiros para adornarem a paisagem campestre). Quanto muito via-se o contrário, a massa da máquina partidária com as bandeiras portuguesas e uns quantos fanáticos desobedientes com bandeiras partidárias.
Depois de um jejum de autárquicas e presidenciais relativamente ao uso dos símbolos Sociais Democratas ou Popular Democratas, agora o PSD rejubila em glória, saiu da clandestinidade, já se pode voltar a assumir como um vencedor. Literalmente, já não há memória de ontem, de hoje em diante fica-se a saber que o PSD esteve sempre activo, sempre na linha da frente, nunca se escondeu, nunca tapou vergonhosamente os seus símbolos, nunca encarcerou as suas bandeiras. O símbolo do PSD esteve sempre presente a boas vistas na campanha de Cavaco, nas campanhas autárquicas de Lisboa, Porto, Figueira, Aveiro, Tavira e Coimbra. Quem disser que a partir da sua derrota às mãos de Santana Lopes, o PSD nunca mais mostrou a cara até à vitória de Cavaco é herege. Mas qual Cavaco? Agora Cavaco já não interessa, é PSD, isto a partir de agora vai ser encarado como uma vitória activa de um PSD assumidamente activo. É pena só se estar lá quando se está em alta e dar de fuga quando se está em baixa. Essa é uma diferença histórica entre a Direita e a Esquerda em Portugal.

As circunstâncias exigem um momento de ordinarice, mas estou demasiado desmotivado para mandar quem quer que seja para o caralho. Num mundo onde cada vez mais os Mass Media e os Grandes Dominadores da Economia têm o poder de lançar tão bem os políticos como os detergentes, a democracia deve ser repensada e a sociedade civil deve lutar em sua defesa.

A direita festeja em Portugal e em Pittsburgh festeja-se a passagem dos Steelers ao Super Bowl.
Resta-me dizer, Go Steelers Go!